O Encontro Ciência 2017 realizou-se de 3 a 5 de Julho em Lisboa, por ocasião dos 20 anos da criação da FCT e passados 50 anos da criação da JNICT. O evento foi organizado pela FCT, pela Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica e pela Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

As edições anteriores do Encontro com a Ciência em Portugal iniciaram-se em 2008, embora tenham sido interrompidas a partir de 2010, tendo a iniciativa sido retomada em 2016, já sob a vigência do XXI Governo Constitucional, pelo actual Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Este encontro definiu-se como um evento de periodicidade anual que se destina a promover o contacto e a partilha de informação entre investigadores. Pela primeira vez houve um país convidado, a Índia, aproveitando a oportunidade do acordo recentemente efectuado entre os dois países, com especial ênfase para a Investigação e Exploração Espacial e Comunicações.

O Ciência 2017 teve como objectivo principal promover o debate no âmbito das Agendas Temáticas Estratégicas, da Iniciativa Nacional Competências Digitais 2030. As Agendas Temáticas Estratégicas são as seguintes:

 1. Mar
 2. Espaço e Observação da Terra
 3. Agro-alimentar, florestas e Biodiversidade
 4. Saúde Investigação Clínica e de Translação
 5. Indústria e manufactura
 6. Economia Circular
 7. Sistemas Sustentáveis de Energia
 8. Trabalho, Robotização e Qualificação do Emprego em Portugal
 9. Turismo Hospitalidade e Gestão do Lazer
10. Ciência Urbana e Cidades para o Futuro
11. Arquitectura Portuguesa
12. Cultura e património Cultural
13. Inclusão Social e de Cidadania
14. INCoDe.2030 – Iniciativa Nacional Competências Digitais

Foram debatidos outros programas estruturantes como os Laboratórios Colaborativos e Associados, Redes de Cooperação em C&T, Infra-estruturas Científicas.

Algumas áreas complementares às das Agendas Temáticas foram também contempladas, que incluíram, por exemplo, Ciências Básicas, Ambiente, Clima e Ciência Polar, Protecção Radiológica, Nanotecnologia, Gestão do Território e Desenvolvimento, Justiça, Economia e Finanças, Linguística e Estudos Literários, Migrações e Demografia, e Artes.

Das sessões plenárias distribuídas pelos 3 dias do evento, destacam-se além da sessão inicial de abertura, em que se fez o balanço da actividade da FCT em Portugal, os temas “Ciência e Cancro” e “Ciência, Europa e Mediterrâneo”.

Relativamente à situação actual da investigação científica e às medidas agendadas pelo MCTES, foi anunciada pelo Ministro Manuel Heitor a contratação de 400 doutorados no âmbito do concurso para projectos de investigação que decorreu em Maio de 2017, cujo processo, segundo afirmou, deverá estar finalizado até ao final do ano. É apropriado relembrar que estes projectos de investigação devem permitir a contratação de investigadores doutorados por um período que poderás ir até 30 meses. Perspectivam-se também programas de financiamento em ciências aplicadas, no âmbito dos Institutos Politécnicos e um programa que contempla redes temáticas nas áreas de saúde, agro-alimentar, oceano e clima - Parcerias para a Investigação e a Inovação na Região do Mediterrâneo (PRIMA), com orçamento atribuído da ordem dos 10 M€.

Foram ainda focados aspectos de cooperação na região Mediterrânica não só entre os países da Comunidade Europeia mas também com países envolventes, com ênfase em Marrocos. O Comissário Europeu, Carlos Moedas, realçou a necessidade da investigação em Portugal ser inovadora e tendencialmente disruptiva.

O evento teve o mérito de ser um fórum para partilha e demonstração das actividades de investigação em curso no país, que se afirmou como uma força motriz para o contacto entre equipas de investigação de diferentes áreas científicas e outros actores da sociedade. O encontro congregou cerca de 4000 investigadores, oriundos de centros de investigação e de Laboratórios de Estado de todo o país. O evento foi aberto a toda a sociedade.

Outros aspectos positivos do evento foi a vasta abrangência temática e a viva participação e envolvimento de jovens investigadores nas múltiplas sessões paralelas que tiveram lugar durante os 3 dias do evento, em sessões de posters e demonstrações no âmbito de projectos maioritariamente de cariz tecnológico e de impacto social.

As sessões de posters em formato digital, destinaram-se à apresentação de trabalhos de estudantes de doutoramento e investigadores de pós-doutoramento. A utilização deste formato digital de apresentação deu uma dimensão mais completa de conteúdos e um diálogo mais interactivo com os participantes interessados, o que favoreceu a promoção do trabalho destes investigadores.

O formato do encontro contemplou ainda expositores onde grupos de investigação montaram experiências destinadas à promoção de literacia científica na sociedade. Investigadores que ganharam bolsas ERC (European Research Council) fizeram demonstrações do seu trabalho.

Em representação da OTC participaram no evento os membros da Direcção Nacional Maria Teresa Pinheiro e Mário de Sousa Diniz.