Insegurança de emprego na ciência

Seiji Yuasa, JSA―Japan Scientists' Association

Os investigadores no Japão

No Japão actual (país tipicamente capitalista, que costumo designar por "Japão Corporativo"), as regras de mercado prevalecem em todas as actividades, tendo o governo e as empresas um papel consertado no sentido de impor aos investigadores objectivos prioritários: 1) garantir que a sua actividade científica assegure lucros; 2) mostrar ser um combatente eficaz no terreno das corporações; e 3) ser um vencedor na luta pela existência.

Os aspectos desta política que urge denunciar são: 1) os investigadores serem insistentemente convidados a integrar actividades de investigação com fins militares, às quais o governo pretende alocar importantes verbas orçamentais; 2) os investigadores poderem ser abrangidos por uma legislação de prevê o não pagamento de horas extraordinárias; e 3) os investigadores poderem ser confrontados com regras de despedimento flexíveis.

Os investigadores empregados no sector empresarial corporativo foram expostos a muitos tipos de desregulação determinada pelas regras do mercado. Um certo número de investigadores foi sujeito a acções coercivas por administrações discriminatórias e forçados a sobreviver submetendo-se à lei da selva. Nos locais de trabalho, toda a liberdade académica e autonomia desapareceram completamente. A importância das ciências básicas diminuiu gradualmente, enquanto as ciências aplicadas e as ciências de cariz tecnológico mais lucrativas foram incentivadas, sendo os investigadores obrigados a trabalhar sob a pressão dos resultados a atingir. Uma vez que o orçamento para investigação e o salário auferido pelos investigadores são extremamente reduzidos, os investigadores têm necessidade de angariar fundos fora da organização em que estão inseridos para realizar trabalho de investigação próprio.

Faça registo para ler mais...