INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SOCIEDADE            (English version)

LUÍS MONIZ PEREIRA EM ENTREVISTA À REVISTA "Men's Health"

Entrevista conduzida por PEDRO LUCAS *

MEN'S health: Recentemente, Sophia alarmou a sociedade ao dizer que os robôs nos vão roubar os empregos. Estamos próximos dessa realidade? Consegue fundamentar esta tese?

LUÍS MONIZ PEREIRA: Baseio-me no estudo aprofundado que inclui Portugal, por especialistas do McKinsey Global Institute** , de dezembro 2017. Ele indica que até 2030, 75 a 375 milhões da força de trabalho global (3% a 14%) precisara de mudar de tipo de trabalho para terem um emprego de tempo completo, em resultado da automação de trabalho por parte das máquinas, e software da economia digital. Afirma ainda que 60% das profissões atuais contem pelo menos 30% de atividade que pode ser automatizada, incluso pela Inteligência Artificial.

E em que funções ou áreas vê esse começo?

As ocupações mais em risco são: administradores de registos: ajudantes de escritório, de finanças e de contabilidade; empregos de interacção com o cliente, tais como em hotéis e nas viagens, caixas e serviços de alimentação e um escopo vasto de empregos de ambiente previsível, como sejam linhas de montagem, lavagem de louça, preparação de comida, condutores de viaturas, e operadores de equipamento agrícola e outros.

Ouvi-o falar da importância da legislação nesta área. O Governo já devia estar a pensar nisso?

As grandes mudanças sociais desencadeadas pela nova automação, nomeadamente o software com capacidades cognitivas (ditas de Inteligência Artificial - IA), e também a sua articulação com sensores e manipuladores físicos (Rob6tica),requerem uma reflexão profunda sobre a relação capital/trabalho, e o desenho de novos modelos de contrato social que enderecem os enormes riscos de instabilidade social e descontentamento inerentes a tais mudanças. Vários partidos e Governo começam já a pensar e a elaborar estudos sobre o seu impacte em Portugal e como endereçá-lo, em coordenação com a EU.

Para além do contrato social, interessa legislar sobre o bom uso dos avanços tecnológicos. Tal como há uma Comissão Nacional para a Bioética, poderia constituir-se uma Comissão Nacional para a lA e Robótica Éticas.

Quem pode suportar o governo

A associação portuguesa para a inteligência artificial (APPIA), com 180 sócios ativos, e a comunidade científica em geral, estão em condições de providenciar a expertise científica e tecnológica atual e prospectiva, em ligação com a União Europeia e a comunidade internacional.

Disse também que os robôs terão de vir a pagar impostos. Pode fundamentar?

Não só os robôs, mas também especialmente o software que vai substituir os humanos com capacidades cognitivas cada vez mais sofisticadas, as quais eram dantes seu monopólio. É que são mais invasivas que a robótica por si só. O aumento massivo do desemprego uma vez que os novos empregos não irão equilibrar a perda dos antigos, virá a produzir problemas graves de sustentabilidade de todas as funções sociais, e nomeadamente, das pensões. Não devemos confundir o grande progresso tecnológico com progresso social, o qual precisa existir também em resultado daquele, que deve beneficiar todos e não apenas os que investem capital. A vida humana também é um capital que se amortiza, quer no funcionamento das empresas quer socialmente. Um robô ou software que substitui um humano deve substituí-lo integralmente, inclusive nos impostos que o humano paga. O benefício não pode ser só para que os ricos fiquem desequilibradamente ainda mais ricos, que é o que vem acontecendo desde há umas décadas.

Como será a relação entre humanos e máquinas?

No meu livro de 2016, “A Máquina Iluminada— Cognição e Computação”, publicado pela Fronteira do Caos, desenvolvo o argumento de que a relação é uma de simbiose, isto é, de desenvolvimento mútuo em cooperação.

Os robôs poderão vir a ter emoções?

Sim, é possível. Em trabalhos meus recentes, mostro como é importante inculcar nas máquinas sentimento de culpa, porque isso melhora a cooperação entre elas e connosco. Também as civilizações extraterrestres terão seres com emoções, pois estas são necessárias ao gregarismo, mas certamente num corpo diferente do nosso. O mesmo se aplica às máquinas inteligentes.

________________________________

*publicada na revista "Men's Health", em 29 de Dezembro de 2017,
na Secção "Um Café Com ..." (https://menshealth.pt)

**https://www.mckinsey.com/global-themes/future-of-organizations-and-work/what-the-future-of-work-will-mean-for-jobs-skills-and-wages

_______________________________

SOBRE LUIS MONIZ PEREIRA

Luís Moniz Pereira, Professor de Ciência de Computação, catedrático com agregação (aposentado), foi Director do Centro de Inteligência Artificial (CENTRIA) da Universidade Nova de Lisboa (1993-2008). É Doutor honoris causa pela Universidade Técnica de Dresden (2006). Pela sua contribuição para o domínio da Inteligência Artificial foi eleito Fellow do ECCAI — European Coordinating Committee for Artificial Intelligence (2001). É membro do Conselho de Curadores e do Conselho Científico do Instituto IMDEA Software (Instituto Madrileño de Estudios Avanzados en Tecnologías de Desarrollo de Software). Na investigação os seus interesses centram-se nos domínios da Representação do Conhecimento, Programação Lógica e Ciências Cognitivas, tendo a seu crédito centenas de publicações. Foi fundador e primeiro Presidente da Associação Portuguesa de Inteligência Artificial e membro fundador dos conselhos editoriais de várias revistas internacionais na sua área de interesses.

Luís Moniz Pereira é membro dos Órgãos Sociais da OTC.