INVESTIGADORES PARA A PAZ

 

Fundos da UE para a investigação militar?

A União Europeia pôs de pé este ano pela primeira vez, um programa de investigação militar com o objectivo de contribuir para preservar a competitividade da indústria dos armamentos. Esta acção preparatória (AP) de um programa de investigação militar consagra um total de 90 milhões de euros para projectos de investigação militar durante o período de 3 anos que vai até 2020.

No quadro desta Acção Preparatória, a União Europeia dá prioridade a domínios de investigação muito controversos, como o desenvolvimento de armas robóticas. Esta acção irá não somente exacerbar a corrida mundial a essas tecnologias, mas poderá também levar a um aumento das exportações para regimes repressivos e a alimentar conflitos. Armas de fabrico europeu facilitam já violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos em várias zonas de conflito.

Esta Acção Preparatória não é mais do que a primeira etapa num caminho que visa o estabelecimento de um verdadeiro Fundo de Defesa Europeu para a investigação e o desenvolvimento de armamentos, com um financiamento estimado em 40 mil milhões de euros para os próximos 10 anos.

As organizações promotoras convidam todos os cientistas, académicos e investigadores a subscrever esta petição para que a União Europeia deixe de financiar programas de investigação militar.

A Europa tem uma longa tradição na Inovação e os programas de investigação europeus revelaram-se instrumentos poderosos de intervenção nas políticas. A União Europeia deveria continuar a investir nos domínios de investigação civil que beneficiam os europeus e o resto do mundo, ajudando a resolver problemas ambientais e de saúde e contribuindo para a igualdade e a estabilidade sociais.

O investimento de fundos europeus na investigação militar não só irá desviar recursos de domínios mais pacíficos mas arrisca-se igualmente a alimentar a corrida aos armamentos comprometendo assim a segurança na Europa e no mundo. A EU, laureada com o Prémio Nobel da Paz em 2012, deveria, pelo contrário, aumentar o financiamento de trabalho de investigação, ousado e inovador, que ajude a lutar contra as causas profundas dos conflitos e contribua para a sua resolução pacífica.

Eis porque, como trabalhador científico, universitário e/ou investigador apelo a que a União Europeia renuncie aos seus projectos de financiamento de programas militares de I&DE.

AS ORGANIZAÇÕES PROMOTORAS DA INICIATIVA “Investigadores pela Paz” (“Researchers for Peace”)

European Network Against Arms Trade (ENAAT)
International Network of Engineers and Scientists for Global Responsibility (INES)
International Peace Bureau (IPB)
Rete Italiana per il Disarmo – Itália
Centre Delàs D’Estudis Per La Pau – Espanha-Barcelona
Sciences Citoyennes-França
Scientists for Global Responsibility (SGR)-Reino Unido
Vredesactie-Bélgica

 

Nota da Direcção

Os interessados em subscrever a petição podem fazê-lo acedendo ao sítio

https://www.researchersforpeace.eu/form/researchers-pledge-form#english

No sítio indicado é possível consultar a lista nominativa dos subscritores cujo número se aproxima, à data de hoje (2018-07-11), do milhar. Há entre eles um número significativo de subscritores portugueses.