MESA REDONDA OTC

“O lugar do Investigador nas Instituições de Ensino Superior”

A OTC levou a cabo no passado dia 23 de Novembro, com início às 17:00, a Mesa-Redonda temática “O lugar do Investigador nas Instituições de Ensino Superior”, que decorreu no Auditório Prof. Adérito Sedas Nunes, gentilmente cedido pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

A escolha do tema justifica-se, a nosso ver, pela sua actualidade e pelo facto de a actividade profissional dos investigadores, o seu papel e as condições da sua inserção no sistema público de Ciência e Tecnologia serem hoje e terem sido desde a sua fundação, na segunda metade da década de 70 do século passado, uma das preocupações dominantes da acção desenvolvida pela OTC, com maior ou menor sucesso, junto das entidades que detentoras do poder executivo e também no quadro dos múltiplos contactos que manteve e mantém com as forças representadas no Parlamento nacional. São preocupações que continuam a ter, no momento actual, razão de existir e isso mesmo aparece reflectido nas intervenções desta Mesa Redonda e no debate que se lhes seguiu. Há questões em aberto que são vistas de diferentes formas no seio da comunidade científica. Importa continuar o debate e aprofundar as questões suscitadas.

Intervieram na Mesa-redonda, a convite da OTC, Paulo Granjo, do Instituto de Ciências Sociais, Sandra Pereira, Presidente da ABIC, e Nuno Pinhão do IST.

A colega Sandra Pereira, Investigadora no Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, Bolseira de Pós-Doutoramento (FCT), substituiu Nuno Peixinho do CITEUC — Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra, impossibilitado de comparecer por motivos profissionais. A todos estamos gratos pela contribuição que acederam dar à iniciativa da OTC.

O Investigador Doutor Paulo Granjo é antropólogo, Prémio Sedas Nunes 2007 e, desde 2004, Investigador Auxiliar do ICS-UL, com um contrato “Laboratório Associado” a termo incerto. Foi pioneiro da antropologia industrial em Portugal e Moçambique, países onde investiga a gestão social da incerteza em contextos laborais, familiares, de violência colectiva, de adivinhação e cura. É autor e editor de 10 livros e de mais de meia centena de artigos, lecciona desde 1999, tendo contribuído para formar a actual geração moçambicana de professores universitários de antropologia.

Paulo Granjo deu à sua intervenção o título “Ciência e Trabalho Científico: do tapa-buracos a uma estratégia nacional”.

O Doutor Nuno Peixinho, astrónomo no CITEUC — Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra / Observatório Geofísico e Astronómico da Universidade de Coimbra, é Bolseiro de Gestão de Ciência e Tecnologia e membro da Direcção da ABIC — Associação dos Bolseiros de Investigação Científica.

Nuno Peixinho, que não pôde estar presente, enviou-nos a sua intervenção a que deu o título de O investigador-bolseiro como subordinado-tarefeiro. A intervenção foi apresentada pela Investigadora Doutora Sandra Pereira.

O Investigador Doutor Nuno Rombert Pinhão, do IST, Departamento de Engenharia e Ciências Nucleares. Nuno Pinhão é físico e trabalha em física de plasmas no Instituto de Física de Plasmas, ligado àquela escola. Foi o último presidente do Conselho Científico do Instituto Tecnológico e Nuclear, hoje integrado no IST tendo sido também presidente do Fórum dos Conselhos Científicos dos Laboratórios do Estado.

Nuno Pinhão deu à sua intervenção o título “Investigadores nas Universidades: essenciais para realizar os seus objectivos programáticos ou um corpo descartável?”

As três apresentações foram seguidas de debate com questões levantadas pela assistência. A sessão, que terminou pelas 19h00, foi gravada, prevendo-se que seja posta em linha brevemente.

A Mesa foi coordenada pela colega de Direcção da OTC, Professora Doutora Ana Maria Silva, da Universidade de Évora.