UMA CAMPANHA PRIMÁRIA DISCRIMINATÓRIA

Uma Campanha Primária Discriminatória

O recente comunicado dos Presidentes de Departamentos do IST noticiado no jornal Diário de Notícias[*] é perturbador e extremamente preocupante.

Apesar da importância óbvia que os investigadores e bolseiros doutorados precários têm no tecido científico nacional, é-lhes negado, com argumentos falaciosos, o direito de exercerem uma carreira profissional, o direito de terem um simples contrato de trabalho por uns míseros anos que lhes permitiria aspirar a uma vida de trabalho digna, a possibilidade de um dia poderem auferir uma reforma, os direitos sociais básicos.

Durante mais de uma década investiu-se na formação de uma geração que atingiu um grau de preparação ímpar em Portugal. Esqueceu-se sempre que teria de haver um justo escoamento para carreiras profissionais. Assim foi engrossando a precariedade para números inimagináveis.

Hoje esta situação só pode ser resolvida com uma medida excepcional. Houve sinais do Governo, embora tímidos, para resolver o problema com medidas legislativas avulsas, o já célebre DL 57/2016 (revisto em 2017) e programas como o PREVPAP que poderiam devolver uma réstia de dignidade aos investigadores e bolseiros em situação precária, muitos deles há mais de uma década.

Mas a universidade recusa ser Universidade. Ao invés de ser um espaço de modernidade e de espírito aberto e integrador das novas gerações, empenha-se numa campanha primária discriminatória em que ser professor é a única meta a ambicionar e o investigador é para abater ou manter em situação de total exploração.

Promover a integração dos investigadores bolseiros doutorados precários é uma questão moral e vital para o futuro da Universidade e da nossa sociedade. É ainda uma questão de humanidade. É uma questão de justiça. Não podemos ficar indiferentes às barreiras sucessivas que vêm sendo postas pelas instituições, à recusa em contratar os melhores dos melhores que estas próprias instituições seleccionaram, acolheram durante anos e deles tiraram partido.

Lisboa, 28 de Julho de 2018

[*]https://www.dn.pt/lusa/interior/regularizacao-de-precarios-poe-em-causa-interesse-da-ciencia—diretores-ist-9600550.html